CULTIVO INDOOR – 8 DICAS QUE VOCÊ PRECISAR SABER ANTES DE COMEÇAR

Tempo de leitura: 16 minutos

cCultivo Indoor

Em primeiro lugar, parabéns se você decidiu que não quer mais fazer parte da violência por trás do tráfico de drogas e deseja ter um produto de qualidade e medicinal.

Mas antes de colocar o dedo verde em ação, entenda que o cultivo indoor vem se difundindo e cada vez mais um grande número de informações estão disponíveis na internet.

No final vai caber a você decidir qual será sua melhor forma de cultivo.

Nessa guia buscamos mostrar para você os principais processos afim de facilitar seu aprendizado.

01. DECIDIR O LOCAL DE CULTIVO

Estuda de Cultivo Indoor

O primeiro passo é decidir qual o espaço adequado para começar seu cultivo.

Isso vai depender é claro, do espaço que você tem disponível e também do tamanho que você quer deixar suas plantas.

Você pode começar com um armário, tenda de cultivo, sala, um quarto no fundos da casa, banheiro…..tem gente que cultiva em gabinete de computador.

Basta lembrar que você vai precisar adaptar seus equipamentos e plantas para caber no espaço.

Comece pequeno…

Ao fazer seu primeiro cultivo é legal começar pequeno por alguns motivos:

  • Menos crescimento, menor configuração
  • Mais fácil de monitorar as plantas
  • Seus erros não terão grandes consequências

Lembre-se, a maioria dos novos jardineiros acaba cometendo alguns erros e perdendo as plantas por pragar os doenças.

Um crescimento perdido de 2 plantas é bem menos triste do que 15.

Mas pense grande…

Ao projetar seu espaço não leve em conta apenas o tamanho que as plantas vão precisar.

Lembre-se das luzes, dutos, ventiladores e outros equipamentos, além de deixar espaço para você trabalhar.

As plantas de cannabis podem dobrar e até triplicar seu tamanho dependendo da genética no início da floração, por isso tenha certeza de que terá espaço o suficiente.

Se você vai cultivar no armário ou em uma tenda de cultivo você pode simplesmente remover as plantas e trabalhar com elas; caso contrário é bom ter certeza de deixar um espaço para movimentar os cotovelos.

Uma dica também é pensar num espaço onde no futuro você possa colocar uma lâmpada mais potente e também utilizar algumas técnicas de cultivo onde você não permite que a planta cresce de forma vertical.

A limpeza é parte crucial do processo.

Certifique-se que seu espaço é fácil de limpar.

A limpeza é muito importante quando falamos de cultivo indoor, utilizar superfícies de fácil limpeza é uma obrigação.

Outras variáveis

  • Conveniência – Você precisa monitorar suas plantas com cuidado. Verifica-la todos os dias é importante, e normalmente os iniciantes querem fazer isso a todo momento. Se seu local de cultivo tiver dificuldade de acesso, esse passo será crucial.
  • Preocupações de temperatura e umidade – Se o seu espaço de crescimento já é muito quente ou úmido, você terá problemas com seu ambiente de crescimento. É altamente recomendável escolher uma área fresca e seca, com fácil acesso ao ar fresco.
  • Discrição – Você provavelmente vai querer esconder seu cultivo de vizinhos curiosos e potencialmente ladrões, por isso, certifique-se de escolher um local onde possíveis ruídos não sejam escutados.

02. A ESCOLHAS DAS LÂMPADAS

Iluminação para Cultivo Indoor

A qualidade da iluminação que você escolher vai ser o fator ambiental número um na qualidade e quantidade de seus cultivos, por isso procure escolher a melhor configuração que você pode pagar.

Lâmpadas HID

As luzes HID (high intensity discharge) são padrão da indústria, amplamente utilizado por sua combinação de saída, eficiência e valores.

Elas custam um pouco menos que fluorescentes, mas produzem muito mais luz por unidade de eletricidade usada.

Por outro lado, eles não são tão eficientes como a iluminação LED, mas elas custam tão pouco quanto um décimo quando comparado a unidades compatíveis.

Os dois principais tipos de iluminação HID são:

  • Haluro de metal (MH), que produzem luz que é azul e branco e geralmente são usados durante o crescimento vegetativo.
  • Sódio de alta pressão (HPS), que produz luz que está mais na extremidade vermelho-laranja do espectro e é usado durante o período de floração.

Além das lâmpadas, as configurações de iluminação HID exigem um reator e um refletor para cada luz.

Alguns reatores são projetados exatamente para MH ou HPS.

Alguns refletores são utilizados exatamente para lampadas HID, são conhecidos com Cool Tube.

Caso você não tenha dinheiro para comprar os dos tipos de lâmpadas MH e HPS, opte pelas HPS, pois entregam mais luz por watt.

Os reatores magnéticos são mais baratos, mas funcionam mais quente, são menos eficientes e mais difíceis de instalar.

Os reatores digitais são a melhor opção, mas são mais caro.

Cuidado com reatores baratos pois muitas vezes não são bem protegidos e podem criar interferência eletromagnéticas que afetarão seu wi-fi.

A menos que você esteja cultivando em um local aberto e bem arejado, você vai precisar também de um sistema de exaustão para suas lâmpadas HID pois produzem muito calor.

Isso requer dutos e exaustores, o que aumentará seu custo inicial, mas tornará o controle da temperatura em seu local de cultivo mais fácil.

Fluorescente

As lâmpadas fluorescentes, principalmente as modelos T5 de alta saída, são bastante populares entre os produtores de pequena escala pois:

  • Elas tendem a ser mais baratas pois o refletor, reator e lâmpada estão incluídos em uma única embalagem.
  • Elas não precisam de um sistema de resfriamento, uma vez que não geram nem de perto o mesmo calor que as HID.

A principal desvantagem é que as luzes fluorescentes são menos eficientes, gerando cerca de 20-30% menos luz por watt de eletricidade usada.

LED

A tecnologia de diodo emissor de luz (LED) já existe a um tempo, mas apenas recentemente foi adaptada para criar luminárias super eficientes para cultivo em interiores.

A principal desvantagem do LED é seu alto custo. Dispositivos elétricos bem projetados podem custar até 10 vezes o que seria uma instalação HID compatível.

Os benefícios são que os LEDs duram muito mais tempo, usam menos eletricidade, criam menos calor e os melhores projetos geram um espectro de luz mais completo, o que levará a maiores rendimentos e melhor qualidade.

Infelizmente existem muitas luzes de LED de baixa qualidade sendo produzidas e comercializadas em relação aos produtores, então faça algumas pesquisas e leia as avaliações dos produtos antes de colocar seu dinheiro suado em qualquer investimento.

Luzem de crescimento por indução

As lâmpadas de indução, também conhecidas com lâmpadas fluorescentes sem eletrodos, é outra tecnologia antiga que foi adaptada recentemente as necessidades dos cultivadores indoor.

Inventada pro Nikola Tesla no final de 1800, a lâmpada de indução é essencialmente uma versão mais eficiente e duradoura do que a lâmpada fluorescente.

A principal desvantagem desse item é o preço e a disponibilidade.

03. DE AR AS SUAS PLANTAS

Ventilação para Cultivo Indoor

As plantas precisam de ar fresco para prosperar, e o dióxido de carbono é essencial para a fotossíntese.

Isso significa que você precisará de um fluxo constante de ar que flui através de sua sala de cultivo, facilmente alcançado por meio de um exaustor colocado no topo da sala para remover o ar mais quente e uma entrada de ar filtrada mais próxima do chão.

Você precisa garantir que as temperaturas permaneçam dentro de um alcance confortável para suas plantas, entre 21º C e 29º C quando as luzes estão ligadas e entre 15º C e 21º C quando estão desligadas.

Algumas variedade de cannabis (geralmente indicas) preferem o intervalo de temperatura mais baixo, enquanto outras espécies são mais tolerantes ao calor.

O tamanho do seu exaustor vai depender do tamanho do seu espaço de crescimento e quantidade de calor gerada pelo seu sistema de iluminação.

Os sistemas HID podem gerar grande quantidade de calor caso não sejam montados com ar condicionado ou exaustores potentes.

Jardineiros que morem em regiões mais quentes normalmente deixar as luzes acessas durante a noite para manter a temperatura mais baixa.

A melhor alternativa é criar um ambiente fechado usando ar condicionado, desumidificador e sistema de CO2 suplementar, mas isso é bastante caro e não recomendado para quem está começando.

Finalmente uma boa ideia é ter um brisa leve e constante em sua sala de cultivo, pois isso fortalece o caule das plantas e cria um ambiente menos hospitaleiro para pragas voadoras.

Um ventilador que circula montado na parede funciona bem para este propósito – Basta não aponta-lo diretamente para suas plantas, pois isso pode causar queimaduras de vento.


Se estiver gostando desse artigo se inscreva em nossa newsletter para receber novidades em primeira mão.

Prazeres da Casa - Grow Shop

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!>

04. ESCOLHA SEUS CONTROLES E MONITORAMENTO

Monitoramento de Cultivo Indoor

Uma vez que você escolher seu sistema de iluminação e equipamentos de controle de clima, você pode querer automatizar essas funções.

Embora existam equipamentos caros para controle de luzes, temperatura, umidade e níveis de CO2, o iniciante geralmente precisa de um temporizador simples de 24 horas para luz e um interruptor ajustável para o exaustor.

O tempo do ciclo de luz/escuro é muito importante quando se cultiva cannabis; geralmente você vai deixar as luzes ligadas em 16 e 20 horas no período vegetativo e 12 horas quando as plantas entrarem no período de floração.

Você precisa setar suas luzem para acenderem e apagarem na mesma hora todos os dias, ou você arrisca estressar sua planta, ou seja, um temporizador é essencial.

Você também pode usar um temporizador para o exaustor, mas gastar alguns reais a mais em um interruptor de termostato é uma opção muito melhor.

Com os modelos mais básicos, você simplesmente ajusta o termostato no dispositivo até a temperatura máxima desejada e conecta ao seu exaustor.

Uma vez que a temperatura chegar ao nível que você configurou o exaustor liga a ventoinha até que a temperatura baixe além do limite estabelecido.

Isso economiza energia e mantem um temperatura constante.

Uma combinação de termohigrometro e um recurso de leitura de dados, pode ser muito útil para você manter as condições de clima do seu espaço de cultivo.

Estes dispositivos costumam ser baratos e alem de medir a temperatura de a umidade, também manter um banco de dados com as médias mais altas e mais baixa de certo período de tempo.

Uma boa ideia também é manter um medidor de pH para verificar como anda o pH da água e da solução nutritiva que você está utilizando nas suas plantas.

O solo para cultivo de cannabis prefere um pH entre 6 e 7 no solo e 5,5 e 6,5 em cultivos hidroponicos.

Deixar o pH fugir dessa faixa pode causar bloqueio de nutrientes, isso significa que suas plantas não irão conseguir absorver todos os nutrientes que precisa do solo, por isso certifique de sempre medir o pH da água antes e depois da rega se possível.

05. DECIDA SOBRE QUAL MEIO DE CULTIVO VAI FAZER SEU JARDIM

Meios de Cultivo Indoor

Fazer um cultivo indoor significa que você poder adotar vários métodos diferentes, pode ser um vaso cheio de substrato, um recipiente com argila expandida ou um sistema hidroponico completo; cada um com suas vantagens e desvantagens.

Aqui vamos falar os dois métodos mais populares.

Solo

O solo é o meio mais tradicional para cultivo indoor, bem como o mais indulgente, tornando-se uma boa escolha para os jardineiros de primeira viagem.

Qualquer solo de alta qualidade irá servirá, desde que não contenha fertilizantes de liberação prolongada, que não é adequado para o cultivo de cannabis.

Uma boa escolha para iniciantes é o solo orgânico pré-fertilizado que pode cultivar plantas de cannabis do início ao fim sem qualquer nutriente adicional se usado corretamente.

Isso pode ser feito combinando micro-organismos, esterco de morcego e outros componentes deixando o solo descansar por algumas semanas.

Tal como acontece com todo o crescimento orgânico, este método depende de uma população saudável de micorrizas e bactérias para facilitar a conversão de matéria orgânica em nutrientes que são utilizados pela planta.

Uma alternativa é fazer uma mistura com um solo regular e, em seguida, complementar suas plantas com nutrientes líquidos à medida que o solo é esgotado.

Cultivo sem solo – Hidroponia

Os jardineiros caseiros estão cada vez mais aderindo o cultivo hidropônico para cultivo de cannabis.

Este método requer alimentação com soluções concentradas de nutrientes de sais minerais que são absorvidos diretamente pelas raízes através do processo de osmose.

A técnica para uma absorção de nutrientes mais rápida, leva um crescimento mais rápido e maiores rendimentos, mas também exige mais atenção e cuidado, pois as plantas reagem mais rapidamente as soluções nutritivas e são mais suscetíveis ao bloqueio de nutrientes.

Diferentes materiais utilizam lixa de rocha, vermiculita, argila expandida, perlita, fibra de coco, entre outros.

As misturas em solo comerciais combinam duas ou mais dessas mídias para criar uma mistura crescente e otimizada.

A mídia sem solo pode ser usada em configurações hidropônicas automatizadas ou em recipientes individuais mantidos a mão.

06. DETERMINE O RECIPIENTE DO SEU MEIO DE CULTIVO

Recipientes para Cultivo Indoor

O tipo de recipiente que você vai usar vai depender de qual meio de cultivo você escolheu.

Um sistema hidropônico por exemplo, pode usar pequenos vasos de rede cheios de argila expandida, ou apenas uma grande lã de rocha para cultivas muitas plantas pequenas.

Enquanto um solo bem preparado pode utilizar vasos de 7 litros, 11 litros, 15 litros, ou até o que seu espaço permitir, geralmente os de 7 litros são os mais utilizados.

As opções mais baratas incluem sacos plásticos furados e garrafas pet cortadas ao meio, enquanto alguns optam por gastar mais em vasos inteligentes (auto pot) que aumentam o fluxo de ar na zona das raízes das plantas.

Muitas pessoas cultivam suas primeiras plantas de cannabis em baldes de 18 litros.

A drenagem é fundamental, no entanto, como as plantas de cannabis são muito sensíveis às condições da água, certifique de que se for utilizar um balde, fura-lo embaixo e encaixa-lo na bandeja.

07. ALIMENTE SUA PLANTA

Fertilizante para Cultivo Indoor

Cultivar plantas de cannabis de alta qualidade requer mais fertilizantes, ou nutrientes, do que as culturas mais comuns.

Os nutrientes primários, ou macronutrientes que sua planta precisam são:

  • Nitrogênio (N)
  • Fósforo (P)
  • Potássio (K)

Abaixo segue os micronutrientes, também necessários, mas em menor quantidade.

  • Cálcio
  • Magnésio
  • Ferro
  • Cobre

Caso você não esteja usando uma mistura de solo orgânica pré-fertilizada, você precisará alimentar suas plantas pelo menos uma vez por semana, utilizando solução nutritiva apropriada.

Esses nutrientes são vendidos em forma de líquido ou pó concentrada, que deve ser misturado com água.

A maioria dos macronutrientes são vendidos em embalagens separadas para evitar que certos elementos precipitem (combinando em um sólido inerte inutilizável pela planta), o que significa que significa que você vai precisar comprar duas garrafas de fertilizante de macronutrientes e uma de micronutrientes.

Além disso algumas plantas precisam de suplemento de cálcio e magnésio.

Depois de comprar os fertilizantes necessários, basta mistura-los com água de acordo com as instruções do fabricante e regar suas plantas com a solução.

Você deve sempre começar com metade do que é indicado, pois é muito fácil queimar suas plantas de cannabis.

É muito pior dar uma carga muito grande de nutrientes para sua planta do que deixar faltar um pouco de comida.

Com o tempo você irá aprender a entender suas plantas.

08. DE ÁGUA AS SUAS PLANTAS

A maioria das pessoas não vai pensar duas vezes em pegar água da torneira e regar as plantas; se eu posso beber, as plantas também podem certo?

Bem, pode não ser assim tão simples, dependendo da região, a água pode conter um quantidade elevada de minerais dissolvidos que podem acumular na zona radicular e afetar a absorção de nutrientes, ou pode conter fungos ou outros agentes patogênicos que não são prejudicais para as pessoas, mas pode levar doença ao sistema radicular.

Além disso alguns locais podem ter alta concentração de cloro na água o que pode prejudicar os micro-organismos benéficos para o solo.

Por estas razões muitas pessoas optam por filtrar a água de rega do seu jardim.

As plantas de cannabis são muito suscetíveis a doenças de raízes e fungos quando as condições são muito úmidas.

O número de vezes que você vai regar suas plantas vai depender do meio de cultura utilizado, do tamanho das plantas e da temperatura ambiente.

Algumas pessoas aguardam até que as folhas mais baixas comecem a cair ligeiramente antes de regar.

À medida que você vai ganhando experiência e conhecimento, você irá alterar seu local de cultivo e equipamentos para adequar seu meio ambiente de trabalho particular.

Espero que este artigo tenha fornecido uma base para você começar a projetar seu primeiro cultivo e começar com o dedo verde.

Lembre-se, cultivar cannabis é um estilo de vida, por isso, mais do que nunca não se esqueça de se divertir.

Bons Cultivos.


Não esqueça de se inscrever na nossa newsletter

Prazeres da Casa - Grow Shop

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!>

Fonte: https://www.leafly.com/news/cannabis-101/cannabis-growing-101-everything-you-need-to-get-started